Computador com senhaUm apontador de lápis, a maçaneta da porta, um carro com tração nas quatro rodas, a internet... A semelhança em todas essas peças é que, como muitas outras coisas no mundo, elas são tecnologias criadas pelo homem para facilitar a sua vida de algum jeito. Novas tecnologias surgem todos os dias para nos ajudar a fazer nossas tarefas de forma mais rápida e segura. Infelizmente, acompanhando o ritmo das melhorias, surgem os meios que trapaceiros usam para burlar as regras e tirar proveito dessas tecnologias para prejudicar outros e se beneficiar de modo ilegal.

Como a internet hoje já é uma plataforma de trabalho amplamente usada para enviar e receber dados em tempo real, viu-se a necessidade de criar soluções que protegessem esse ambiente e proporcionasse uma maior segurança na internet. Vieram os antivírus, firewall, senhas para cadastros em site e muitas outras formas. Uma dessas soluções é a assinatura digital.

A assinatura digital tem por função dar garantias da procedência de um documento e se ele sofreu alguma alteração não autorizada. Documentos e arquivos são muito importantes para pessoas, empresas e instituições e justamente por isso é necessário protege-los.

Toda essa precaução se faz necessária no dia a dia. Ainda mais devido a grande quantidade de crimes digitais que acorrem no mundo digital diariamente. Estima-se que dois terços dos internautas do mundo já foram vítimas de algum crime digital segundo o estudo “Norton Cybercrime Report: The Human Impact”. Outro dado preocupante é que o Brasil é o segundo país em que mais se comete crimes digitais no mundo.

Com tantos crimes e perigos no mundo virtual a assinatura digital é um meio seguro de comprovar a procedência de um documento. Com a utilização de uma espécie de “chave ” ( conjunto de bits, determinados por alguns logaritmos) esse sistema se torna um alvo difícil para fraudes pela sua complexidade.

Outro trunfo da assinatura digital é que, com o crescente número de pessoas e empresas usando esse artifício, foi necessário organizar e padronizar essas operações. A ICP-Brasil faz isso por meio da certificação digital e das assinaturas das AC (Autoridade Certificadora). Com os certificados digitais devidamente assinados e com os devidos cuidados os riscos da assinatura digital não funcionar é mínima.

No quesito tecnologia as políticas de segurança sempre serão bem-vindas para que tudo ocorra como tem que ser no mundo dos negócios e na internet. A assinatura digital é uma opção interessante e vai se tornando cada vez mais indispensável para quem quer sobreviver bem em negócios online (e-commerce).

O que é Assinatura Digital? 

Cadeado abertoAssinatura digital é um meio pelo qual pode-se conservar, com segurança, a integridade e procedência de um documento. Sendo assim, com a assinatura digital pode-se afirmar que um documento não foi modificado e realmente procede da pessoa que diz ter enviado tal documento. Trabalhar e estudar na internet se tornou algo recorrente e necessário e por isso é importante zelar pela segurança e confiabilidade dos documentos que você ou sua empresa mandam e recebem.

A ideia de poder autenticar de forma inegável um documento digital surgiu nos anos 70. No ano de 1976, Whitfield Diffie e Martin Hellman publicaram um trabalho que viria a ser o início das varias inovações no campo da criptografia. Umas das principais mudanças decorrentes desse trabalho foi a criação da chave pública, usada no processo de assinatura digital.

Mais tarde foi inventado o algoritmo RSA, que se baseava na multiplicação de números primos e na fatoração do resultado dessa operação. O algoritmo carrega as iniciais dos sobrenomes de seus inventores (Ronald Rivest, Adi Shamir e Lan Adleman). Esse foi o início do uso das assinaturas digitais e em 1989 foi lançado o primeiro software elas, o Lotus Notes, que usava a tecnologia RSA.

O tempo foi passando e a tecnologia RSA mostrou não ser totalmente confiável. Foram surgindo novas alternativas para aumentar a segurança, como a assinatura de Lamport, o método das árvores de Hash, dentre outras. À medida em que a tecnologia avança, novas opções de segurança da informação são lançadas.

Esse processo baseia-se no uso de uma série de bits que usam um algoritmo capaz de “embaralhar” as informações contidas no documento protegido, assim como tem o poder de decifrá-lo. Esse conjunto de bits são conhecidos como “chaves” e existem tipos diferentes de chaves. A chave pública, que como o próprio nome diz é de acesso para mais de uma pessoa, e a chave privada. Esta última deve ser mantida em sigilo e não deve ser dividida com ninguém.

O uso dessas chaves é fator é muito importante nesse processo, pois é o responsável por transformar o documento comum em um criptografado. Para usar a assinatura digital é preciso adquirir softwares específicos que dão as ferramentas necessárias para o uso correto desse artifício. Os programas, em sua maioria, são pagos.